quarta-feira, dezembro 21, 2011

Recordações

Flashes piscavam ao longe, vindos de todas as direções. A melodia nordestina ecoava nos desacostumados ouvidos curitibanos; turistas dançavam, maravilhados. As luzes coloridas envolviam a todos na bela galeria de arte ao ar livre. Eis que a canção se tornou ópera, o fogo crepitava à luz do luar, encantando a todos os transeuntes. E, por mais acolhedor que pudesse parecer, eu estava só, mergulhada no espetáculo que acontecia na cidade em que amava. Em meio a aplausos, os artistas acenavam, retirando-se, seguidos por um rastro de olhos brilhantes... Estavam todos felizes. E essa é a minha primeira recordação do natal em Curitiba.   


Rua XV de Novembro


terça-feira, dezembro 06, 2011

Estímulo

Extensão da presença, ínfima ligação que nos alenta... Doce paliativo. Dedilhando na alma sons que ultrapassam limites, construindo nota a nota um desenho no coração. Cada estímulo se une, acordes ressoam em meus ouvidos como os mais belos sons já produzidos... Arte de falar sem palavras, poesia que (ainda...) não se vê, emoção que transborda no peito... Sete letras flutuando pelo espaço.





Receba as postagens por e-mail